Voto de pesar pela morte de Pedro Gonçalves (07-dez-2021)

Agendada: 7 de Dezembro de 2021
Debatida e votada:7 de Dezembro de 2021
Resultado da Votação: Aprovado por unanimidade
Passou a Deliberação: 396/AML/2021
Publicação em BM: 5º Suplemento ao BM nº 1454, de 30.12.2021

Faleceu no passado sábado dia 4 de dezembro em Lisboa, o músico, compositor, contrabaixista e produtor musical Pedro Gonçalves, aos 51 anos, em consequência de doença prolongada.
Pedro Gonçalves, músico com formação na área do Jazz começou o seu percurso musical no Hot Club e foi baixista e contrabaixista na banda do Sérgio Godinho entre 1996 e 2001, ano em que se juntou ao guitarrista Tó Trips [António Manuel Antunes] para gravar “Paredes Ambience”, uma música em tributo ao génio da guitarra portuguesa, Carlos Paredes.
Em 2003 criam oficialmente os Dead Combo, uma banda com personalidade muito forte influenciada pelo rock, pelo blues, sem esquecer as tradições da música portuguesa e com influências que também chegavam de várias partes do mundo, da África à América Latina.
Em 2007, por ocasião das eleições autárquicas intercalares em Lisboa, os Dead Combo demonstraram o seu apoio ao movimento Cidadãos por Lisboa oferecendo um concerto no espaço Santiago Alquimista a todos os apoiantes do movimento e demais Lisboetas, numa noite memorável que esgotou a lotação daquele espaço.
O ano de 2008 marca o lançamento de “Lusitânia Playboys”, o álbum que consagrou também internacionalmente a banda, tendo ganho vários prémios de melhor álbum do ano e até de melhor álbum da década.
Em 2016, a dupla participou no programa “No Reservations” de Anthony Bourdain sobre Lisboa tendo esta participação levado a quem entrassem para o top 10 dos discos de world music mais vendidos no iTunes norte-americano.
A música dos Dead Combo chegou também ao mundo do cinema através da inclusão de 2 músicas suas no filme Focus, realizado pela dupla Glenn Ficarra e John Requa e protagonizado por Will Smith.
2019 é o ano que ficará marcado com o anúncio do fim da banda “Decidimos acabar, mas acabar em grande. Não é um final triste, há muita coisa para ser celebrada” disseram enquanto agendavam a sua última tour “Fim” que foi em parte adiada devido à pandemia covid-19 e, mais recentemente cancelada devido ao agravamento da situação de saúde de Pedro Gonçalves.
A eclética dupla lisboeta lançou um total de seis álbuns de estúdio — «Vol. I» (2004), «Vol. II – Quando A Alma Não É Pequena» (2006), «Guitars From Nothing» (2007), «Lusitânia Playboys» (2008), «Lisboa Mulata» (2011), «A Bunch Of Meninos» (2014), «Dead Combo E As Cordas Da Má Fama» (2016) e o mais recente «Odeon Hotel», de 2018.
Pedro Gonçalves era, para além da sua carreira musical, uma pessoa com características humanas extraordinárias. Com a pandemia de covid-19 e perante a constatação de que amigos e colegas profissionais do audiovisual se encontravam a atravessar dificuldades financeiras, Pedro Gonçalves foi um dos fundadores da plataforma de apoio da União Audiovisual, ele próprio recolhendo e distribuindo donativos, organizando espetáculos de
recolha de donativos, e outras iniciativas que permitiram ajudar já mais de 300 famílias.

Assim, os Deputados Municipais Independentes abaixo indicados, dos Cidadãos por
Lisboa, vêm propor à Assembleia Municipal de Lisboa, reunida em 7 de dezembro de 2021,
que delibere:

• Manifestar o profundo pesar pelo falecimento de Pedro Gonçalves, expressando
aos Filhos, à Família, e aos Amigos as mais sentidas condolências.
• Observar um minuto de silêncio, em sua homenagem.

Os Deputados Municipais Independentes:

Miguel Graça

Daniela Serralha

© Ágata Xavier